Sobre mim

advogado
Professor de Direito, faço consultoria jurídica, presto assistência judicial e extrajudicial nas seguintes áreas:DIREITO IMOBILIÁRIO -contratos de locação, comodato, compra e venda, rescisão de contratos, elaboração de contratos, direito condominial), DIREITO DE FAMÍLIA (interdição, inventário, divórcio, pensão alimentícia), DIREITO DO CONSUMIDOR-, DIREITO TRABALHISTA, DIREITO DE PROPRIEDADE - reintegração de posse, usucapião, DIREITO CIVIL - Cobranças e negociações, danos materiais e morais, trânsito (recursos de multas, suspensão de CNH), DIREITO TRIBUTÁRIO (negociação de débitos tributários), Atendimento - sábados das 08 as 13:30h -Seg a sexta -das 18 às 20 horas e sábados das 08 às 11 horas -agendamento prévio, inclusive no endereço comercial do cliente, em horários a combinar.

Verificações

Regis Zambon Mattos, Advogado
Regis Zambon Mattos
OAB 333.194/SP VERIFICADO
O Jusbrasil confirmou que esta OAB é autêntica
PRO
Desde Abril de 2016

Principais áreas de atuação

Direito Penal, 5%
Direito Arbitral, 5%
Direito do Trabalho, 5%
Contratos, 5%
Outras, 80%

Primeira Impressão

(217)
(217)

217 avaliações ao primeiro contato

Direito Administrativo

Direito Imobiliário

Direito Previdenciário

Direito Tributário

Direito de Família

Direito do Consumidor

Mais avaliações

Comentários

(5)
Regis Zambon Mattos, Advogado
Regis Zambon Mattos
Comentário · ano passado
Uma coisa é certa, esses técnicos não terão as mesmas liberalidades de exercício da advocacia tal como o advogado. Este curso técnico surgiu em São Paulo, a pedido dos desembargadores, para que o Governo do Estado criasse um curso para preparar os serventuários da justiça com as noções jurídicas mínimas necessárias no desempenho de suas atribuições nos tribunais. A PARTIR DESSE CURSO, bem específico, surgiu o curso profissionalizante no Centro Paula Souza, e este curso não é novo. Já dei aulas nesse curso técnico. São pessoas que estarão sendo preparadas para prestar concursos de nível médio do Poder Judiciário, MAS QUE poderão atender demandas de mão-de-obra nas Prefeituras Municipais, Câmaras e outros órgãos Públicos cujos Procuradores possuem demandas em volumes fantásticos e precisam de auxiliares com algum conhecimento colaborando com um sistema mais produtivo na administração dos processos (judiciais ou administrativos) nesses órgãos. Agora a Administração Pública poderá prover na legislação a contemplação em seus quadros do técnico jurídico. Em relação aos escritórios de advocacia isso permite escolhas, podendo se contratar a secretária leiga, o estagiário do curso superior ou o técnico jurídico. Depende do interesse e da visão de mercado que cada profissional tem. Pode-se contratar a secretária que apenas atende a porta, cuida da agenda, copia textos preparados pelo advogado, lixam as unhas e não representam "ameaça" alguma por sua ignorância. Pode-se contratar o estagiário, vislumbrando conquistar um parceiro talentoso que atraia boas demandas, ou pode-se contratar um técnico, que não é ignorante, não representa ameaça por não ser habilitado ao exercício da advocacia mas que pode ser um colaborador talentoso e importante no desenvolvimento eficiente do escritório. É tudo questão de visão, análise e escolha, decisão. PORTANTO, vejo com otimismo a oficialização da profissão pelo MEC. Inclusive pela razão de que o reconhecimento do curso pelo MEC propicia em futuro breve a abertura de vagas para docentes de formação em nível superior aos profissionais do Direito.
Regis Zambon Mattos, Advogado
Regis Zambon Mattos
Comentário · ano passado
Cara Ana, não há regulamentação ainda, mas uma coisa é certa, não terão as mesmas liberalidades de exercício da advocacia tal como o advogado. Este curso técnico surgiu em São Paulo, a pedido dos desembargadores, para que o Governo do Estado criasse um curso para preparar os serventuários da justiça com as noções jurídicas mínimas necessárias no desempenho de suas atribuições nos tribunais. A PARTIR DESSE CURSO, bem específico, surgiu o curso profissionalizante no Centro Paula Souza, e este curso não é novo. Já dei aulas nesse curso técnico. São pessoas que estarão sendo preparadas para prestar concursos de nível médio do Poder Judiciário, MAS QUE poderão atender demandas de mão-de-obra nas Prefeituras Municipais, Câmaras e outros órgãos Públicos cujos Procuradores possuem demandas em volumes fantásticos e precisam de auxiliares com algum conhecimento colaborando com um sistema mais produtivo na administração dos processos (judiciais ou administrativos) nesses órgãos. Agora a Administração Pública poderá prover na legislação a contemplação em seus quadros do técnico jurídico. Em relação aos escritórios de advocacia isso permite escolhas, podendo se contratar a secretária leiga, o estagiário do curso superior ou o técnico jurídico. Depende do interesse e da visão de mercado que cada profissional tem. Pode-se contratar a secretária que apenas atende a porta, cuida da agenda, copia textos preparados pelo advogado, lixam as unhas e não representam "ameaça" alguma por sua ignorância. Pode-se contratar o estagiário, vislumbrando conquistar um parceiro talentoso que atraia boas demandas, ou pode-se contratar um técnico, que não é ignorante, não representa ameaça por não ser habilitado ao exercício da advocacia mas que pode ser um colaborador talentoso e importante no desenvolvimento eficiente do escritório. É tudo questão de visão, análise e escolha, decisão. PORTANTO, vejo com otimismo a oficialização da profissão pelo MEC. Inclusive pela razão de que o reconhecimento do curso pelo MEC propicia em futuro breve a abertura de vagas para docentes de formação em nível superior aos profissionais do Direito.
Regis Zambon Mattos, Advogado
Regis Zambon Mattos
Comentário · ano passado
Caros colegas, não vejo essa situação como preocupante. Há poucos dias atrás conversei com um colega a respeito disso. Fui professor no Centro Paula Souza, no curso Técnico Jurídico. Penso que o emprego de técnico é útil no mercado. Vejam que todos os escritórios (ou quase todos) precisam de uma secretária, mas elas não são qualificadas para auxiliar o advogado no escritório, seja esbossando peças processuais, seja fazendo o papel de "office boy" quando necessário diligenciar no fórum, cartórios, tabelionatos, entre outros. O Técnico possui muitas limitações. Não pode atuar (advogar). Não pode nem assinar as peças que esbossar ou elaborar. Mas é uma peça importante no processo produtivo na medida em que já é contratado com algumas noções dos princípios de Direito, o que facilita a vida dos escritórios. E, logicamente, assim como as secretárias, causa certo ônus, mas é uma mão-de-obra que vai trabalhar por preço justo, e que oferta uma contrapartida, o aprendizado técnico, que pode ser devidamente aprimorado e lapidado pelo advogado contratante. Vejo os técnicos como parceiros facilitadores. Inclusive pelo fato de que no caso de se encantarem pela profissão e desejarem fazer um curso de Direito em nível superior serão funcionários dedicados no escritório pelo interesse ímpar de aprimorar os conhecimentos e buscarem o aperfeiçoamento do aprendizado acadêmico. Claro, se houver no mercado bacharéis que se sujeitem a realizar essa atividade por valores competitivos então teremos mais opção de mão-de-obra no mercado. Salvo engano de minha parte, considero positiva a regulamentação da atividade pelo MEC. Abraço a todos.

Perfis que segue

(113)
Carregando

Seguidores

(9)
Carregando

Tópicos de interesse

(104)
Carregando
Novo no Jusbrasil?
Ative gratuitamente seu perfil e junte-se a pessoas que querem entender seus direitos e deveres
Fale agora com Regis
(16) 99712-50...Ver telefone
. - São Paulo (Estado) - 13560970

Regis Zambon Mattos

. - São Paulo (Estado) - 13560-970

Home office - São Paulo (Estado) - 13574-470

(16) 99712-50...Ver telefone

Entrar em contato